De adolescente a monstro: Uma retrospectiva de Alex Ovechkin

Alex Ovechkin, na noite de ontem, conseguiu alcançar mais um recorde na sua carreira vitoriosa. O russo fez o gol de número 500 na NHL na goleada por 7-1 em cima do Ottawa Senators e chegando a 501 marcando o último para os Caps. Ovi é o quinto jogador mais novo a chegar a 500 gols, com pouco mais de 800 partidas jogadas, e aos 30 anos de idade. Muitos falam que ele pode e tem chances de passar Wayne Gretzky, pela sua idade e o tempo que ainda terá como jogador. A Washington Capitals Brasil preparou um especial para ele, uma retrospectiva sobre sua vida e carreira.

Nascido em Moscou, na Rússia, em 17 de setembro de 1985, Ovechkin começou sua carreira em 2001, quando jogava pelo Dynamo Moscow na KHL (time pelo qual jogou no último lockout da NHL). Filho do ex-jogador de futebol Mikhail Ovechkin e a ex-jogadora de basquete e bicampeã olímpica em 1976 e 1980 Tatyana Ovechkina, Alex se destacou na Rússia, indo para o NHL Draft em 2004, sendo a primeira escolha pelo Washington Capitals, começando a se tornar o astro que é hoje.

Começando a atuar em 2005, teve 52 gols na sua primeira temporada. Sendo o primeiro deles contra o Columbus Blue Jackets, muita gente discordava sobre a escolha dos Capitals, que deixaram passar Evgeni Malkin para o Pittsburgh Penguins para pegar Ovechkin, que também teve 54 assistências, chegando a 106 pontos, batendo o recorde da NHL para um rookie.

Chegando ao 100° gol na sua segunda temporada, 2006-2007 foi um ano ótimo para Ovechkin. Indo para a primeira linha pela primeira vez na carreira, o Left Wing conseguiu 92 pontos na temporada, sendo 46 gols e 46 assistências, mas ainda faltava uma coisa: Um jogo de playoffs nessa reconstrução dos Capitals. Isso viria a acontecer na outra temporada, quando Ovi se tornou o maior artilheiro de Washington em uma só temporada, com 65 gols. Os Caps foram eliminados pelo Philadelphia Flyers na primeira rodada, após vencer a divisão com um recorde de 43-31-8. Nesse ano também aconteceu a chegada de Nicklas Backstrom, que formaria uma das melhores parcerias da NHL futuramente.

Seus primeiros prêmios na NHL vieram também em 2008, o Memorial Hart Trophy, de MVP e o “Rocket” Richard Trophy, de artilheiro da liga, chegando também ao gol de número 200 da carreira em 2009. Começando a temporada 2008-2009, os Capitals eram cotados para um dos favoritos para a Stanley Cup, tendo, além da dupla Backstrom e Ovechkin, que começava a se entender mais e mais, o técnico Bruce Boudreau e o artilheiro russo Sergei Fedorov, que bateu o recorde de maior goleador russo da história da NHL nesse ano (recorde que foi superado por Alex no ano de 2015). Ovi teve 56 gols na temporada e 59 assistências, com Backstrom tendo mais 66 passes para gol e liderando o time nesse quesito. Nos playoffs, o time foi eliminado na segunda rodada, causando a demissão do técnico e rendendo mais um MVP para Ovechkin, sendo o 9° jogador a conquistar o título duas vezes seguidas.

A temporada completa com menos jogos jogados por Ovechkin foi a de 2009-2010, com 72. Mesmo assim, Ovi teve 50 gols e 59 assistências, se tornando o capitão dos Caps e levando a equipe para mais uma pós temporada, perdendo em 4 jogos na segunda rodada. Os dois anos seguintes foram apagados para o russo, mesmo conseguindo o seu 300° gol na carreira em 2011, teve duas temporadas com menos de 40 gols, o que fez todo mundo pensar que ele estaria acabado.

A volta aconteceria após o lockout, quando Ovechkin fez 32 gols em 48 jogos, voltando a ser artilheiro e também ganhar o MVP. Os Capitals tinham a direção de Adam Oates, que foi uma decepção total nessa temporada, com o time sendo eliminado em 7 jogos na primeira rodada dos playoffs. 2013-2014 consolidou a quebra do time e Ovi sendo artilheiro de novo, com 51 gols e 28 assistências, inclusive o gol 400 da carreira. Washington ficou de fora dos playoffs e Oates foi demitido.

Uma nova era começava com os Caps. Barry Trotz assumia antes da temporada 2014-2015, buscando colocar o time de volta nos trilhos. Ovechkin logo mostrou suas cartas e fez 53 gols, ganhando de novo o artilheiro e ficando em segundo no prêmio de MVP. Washington conseguiu voltar aos playoffs com uma campanha de 45-26-11, sendo eliminado na segunda rodada.

Nessa temporada, Ovechkin tem 26 gols e 13 assistências, tendo um time cada vez melhor, sempre ao lado de Backstrom e agora também com novos reforços que fizeram ele jogar mais tranquilo, sem a pressão de ter que resolver sempre. Os Caps lideram a liga com 5 pontos de vantagem para o segundo colocado.

 

Prêmios conquistados por Ovechkin:

Art Ross Trophy (2007-2008)

Calder Memorial Trophy (2005-2006)

Hart Memorial Trophy (2007-2008/2008-2009/2012-2013)

Ted Lindsay Award (2007-2008/2008-2009/2009-2010)

Maurice “Rocket” Richard Trophy (2007-2008/2008-2009/2012-2013/2013-2014/2014-2015)

Anúncios

Um comentário sobre “De adolescente a monstro: Uma retrospectiva de Alex Ovechkin

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s